28/7/2014

Publicado em 28 de julho de 2014

DIÁRIO CATARINENSE

Remédio tem até 12% de desconto
Consumidores deverão pagar menos em medicamentos de tarja preta e vermelha para tratar doenças como câncer e diabetes
Os 174 remédios que tiveram a isenção de PIS/Cofins anunciada no final de junho já podem ser encontrados com descontos nas farmácias e drogarias do país.
A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), responsável por estabelecer os preços dos remédios, publicou nesta semana a lista com os valores, que estão até 12% mais baratos.
Os consumidores deverão pagar menos em medicamentos de tarjas preta e vermelha para tratar doenças como câncer, arritmia, infecções e diabetes, além de outras doenças crônicas, por exemplo.
A lista completa está no portal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em www.anvisa.gov.br.

Santander se explica a Dilma
Instituição alega que informe sobre reeleição da presidente enviado a clientes é de um analista
Em meio à polêmica gerada após o Santander ter enviado neste mês aos clientes de mais alta renda de sua carteira um extrato no qual apontava risco de deterioração da economia brasileira em caso de reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), o presidente mundial do Santander, Emilio Botín, afirmou ontem que o informe “não é do banco, mas de um analista”.
Botín acrescentou que Jesús Zabalza, que preside a instituição no Brasil, já prestou esclarecimentos às autoridades e à presidente Dilma Rousseff. O Santander informou ainda que todas as pessoas responsáveis pela elaboração e aprovação do informe serão demitidas. Não foi informada a data de quando isso ocorrerá, uma vez que o caso ainda está em apuração.
– Para o banco Santander, o Brasil é um país importantíssimo – disse, acrescentando que a instituição já investiu US$ 27 bilhões em 32 anos de atuação no Brasil.
No dia 1º de julho, o banco enviou aos seus clientes do segmento Select, que ganham mais de R$ 10 mil por mês, o informe afirmando que se a presidente Dilma se estabilizar nas pesquisas de opinião para as eleições de outubro ou voltar a subir a Bolsa irá cair, os juros vão subir e o câmbio se desvalorizará.
Nesta segunda-feira, terá início o III Encontro Internacional de Reitores Universia 2014, promovido pelo Santander, no Riocentro, no Rio.
A Presidência da República foi convidada. O vice-presidente Michel Temer (PMDB) participaria do evento, mas informou que não irá mais, segundo comunicado do próprio Santander.

MOACIR PEREIRA

A queda

As ações da Celesc foram cotadas no último pregão da bolsa de valores a R$ 14,90. Acumulam este ano uma queda de 11,6%. Se considerar os equívocos da política energética do governo federal, com graves prejuízos para as distribuidoras, a partir da medida provisória 579, de 2012, a perda do valor das ações da Celesc totaliza 52,2%.

Luto

Presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Nelson Martins, decretou luto oficial na Justiça de SC pelo falecimento por problemas cardíacos, aos 54 anos, do desembargador Vitor Sebem Ferreira. Seu corpo foi velado no auditório do Tribunal de Justiça. O sepultamento ocorreu em São José. O magistrado teve destacada atuação na Coordenação Estadual dos Juizados Especiais.

PAULO ALCEU

Coragem

Não dá para desmerecer a atitude do governador Raimundo Colombo ao reagir contra empreiteiras que não cumprem com suas determinações contratuais. Não é nada comum, governantes rescindirem contratos provocando atritos, inclusive internos, onde interesses se chocam distanciados da finalidade básica que é a execução das obras. O governador em dois casos priorizou os trabalhos que estavam atrasados, e, que consequentemente produziam desgastes e justificativas, injustificáveis. Diante desse quadro reagiu e exigiu a troca das responsáveis pelas obras, pois o foco é entregar o que foi prometido á população dentro dos prazos estipulados. Nesse universo entre empreiteiras e governos há sempre uma carga de suspeições onde se localizam benesses que acabam interferindo na essência do contrato. Os preços ultrapassam a razão carregando aditivos e alterando projetos a fim de atender muito mais atenções deturpadas. Esse comportamento prejudica empresas, desqualifica governantes, e o principal de tudo isso, onera e desrespeita a população. E os impedimentos não estão apenas do lado das empreiteiras, muitas delas vítimas de uma cultura predatória e estabelecida, onde verdadeiras quadrilhas se formam protegidas em administrações públicas embaladas pelo manto da autoridade. Esse relacionamento deveria ser rompido definitivamente sendo estabelecido o básico que é onde há uma obra, há uma empresa, há um custo e um prazo de entrega. Nada mais. Com respeito e o cumprimento do contrato de ambos os lados. O que o governador Colombo, com coragem, está tentando estabelecer é exatamente isso, que se cumpra com responsabilidade o que foi acordado. Tenho certeza que a imensa maioria das empresas apóia essa “cartilha” afastando a interferência do desvio, até no sentido da sobrevivência e da concorrência leal.

Determinado

Quando o governador Raimundo Colombo, depois de várias tratativas, decidiu pela rescisão de contratos com a Construtora Espaço Aberto, da SC 403 e da ponte Hercilio Luz, foi sugerido pelos assessores mais próximos que não tomasse essa medida que poderia ser interpretada como eleitoreira, devido a proximidade com a campanha. Convicto de sua decisão e ciente de que estava defendendo a celeridade das obras e nada além disso, não recuou.

COLUNA PRISCO PARAÍSO (AN)

Respingando

Ainda sobre o rumoroso caso do show que não aconteceu do tenor Andre Bocelli, em Florianópolis, sobrou também para o senador Luiz Henrique da Silveira. Os advogados Francisco Ferreira e Edson Carvalho, responsáveis pela defesa do ex-secretário de Turismo da Capital, Mário Cavallazzi, conseguiram liminar no Tribunal de Justiça, determinando que LHS seja ouvido pela Justiça.

Trata-se de um desdobramento do depoimento de Dário Berger. O ex-prefeito e candidato ao Senado revelou que o hoje senador era um dos maiores entusiastas da contratação de Bocelli. Foi na gestão de LHS que o Estado repassou os recursos para a prefeitura trazer o tenor a SC.