RAUL SARTORI (24/7/2018)

Publicado em 29 de outubro de 2018

Direito de resposta
Sobre a contestada criação de um escritório da Procuradoria Geral do Estado dentro do Tribunal de Contas, o procurador-geral Juliano Dossena esclarece que ele visa apenas e tão-somente aproximar as duas instituições e aprimorar o êxito na defesa dos interesses judiciais do TCE através da especialização que trará a presença de um procurador do Estado e um servidor de apoio na própria corte de contas. Registra que da parte da proposta da PGE não há criação de qualquer cargo comissionado; somente a designação de um procurador seu e um servidor de apoio, com vencimentos pagos pela PGE. O que Dossena talvez não tenha conhecimento até agora é que no TCE, tanto no ato normativo ora suspenso como em eventual convênio, há um lobby imenso para que também sejam criados cargos comissionados. As intenções são mais que sabidas.