Governo de Santa Catarina

 

25.1.19-brasilia

 

Moisés traz mais do que promessas de Brasília

Na primeira viagem a Brasília, depois de empossado, o governador Carlos Moisés da Silva cumpriu o que havia determinado e embarcou em um avião de carreira da Avianca, ao lado do seu chefe de Gabinete, coronel Márcio Ferreira e do secretário Douglas Borba (Casa Civil), os três da foto, sem a mordomia do jatinho do governo, que anunciou que será vendido, ou de uma aeronave alugada. Foi na véspera dos compromissos, marcados para esta quinta (24).

Os secretários Carlos Hasller (Infraestrutura), João Batista Cordeiro (Defesa Civl) e Lucas Esmeraldino (Desenvolvimento Econômico Sustentável e Turismo) também usaram o mesmo expediente em horários diferentes. A intensa agenda, igualmente acompanhada pelo secretário Diego Goulart (Articulação Nacional), avaliada como positiva por Moisés, passou pelos ministérios da Infraestrutura, Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, bem como na Casa Civil. Quem conhece a rotina da cena em Brasília já notou uma diferença: os comandantes das pastas receberam o governador catarinense com o conhecimento das demandas que foram apresentadas, sem enrolação.

Boas notícias
Foi o ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) quem deu as melhores informações a Moisés. Garantiu que haverá recursos para o andamento da duplicação das BRs 470, com a possibilidade de entrega de 12 quilômetros ainda este ano, e 280, que receberá R$ 65 milhões nas próximas semanas. O ministrou acrescentou que outros focos são melhorias em rodovias do Oeste e a conclusão da terceira faixa da Via Expressa (BR-282), em Florianópolis, e o contorno de Jaraguá do Sul, mais o compromisso com a agilização das obras de acesso ao novo terminal do Aeroporto Internacional Hercílio Luz.

Bem recebido
Ser do partido do presidente Jair Bolsonaro ajuda Moisés, mas não é tudo, até porque, um dia, a lua-de-mel acaba. Em tempos de chuvarada, o governador reuniu-se com o ministro Gustavo Canuto e a conversa foi justamente sobre projetos, já em execução no Estado, que buscam intensificar as ações de proteção aos impactos de desastres naturais, como novas construções e melhorias em infraestrutura de barragens, melhoramentos fluviais e o aporte de recursos para diversos projetos de obras preventivas em municípios catarinenses.

MOISÉS VAI A BRASÍLIA
O governador, Carlos Moisés da Silva (PSL), viajou a Brasília ontem de manhã, para cumprir uma extensa agenda. Moisés se encontrou com o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, quando discutiram a respeito da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), que o Estado ainda no governo de Raimundo Colombo (PSD), deu entrada contra a Lei que determina o percentual mínimo de investimento na Saúde.
A comitiva do governador, conta com o homem forte do governo, o secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba. Mas também é composta pela procuradora-geral do Estado, Célia da Cunha; pelo procurador, Fernando Filgueiras; e dos secretários de Estado de Infraestrutura, Carlos Hassler, Defesa Civil, João Cordeiro Júnior e do secretário de Estado da Articulação Nacional, Diego Goulart, que esperou o grupo em Brasília.
A agenda de hoje, tem as 14h uma audiência com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, quando será discutida a duplicação da BR-470 e BR-280. As 16h o encontro será com o ministro do Desenvolvimento Regional, Henrique Canuto, quando a pauta será os recursos hídricos. Um detalhe: em sua primeira viagem oficial, Moisés usou um voo comercial, da Avianca, que decolou logo cedo da capital. Ele colocou à venda os aviões que pertencem ao Estado. Na foto, o governador caminhando em direção à aeronave.

ML24119

Sempre a saúde
Enquanto o Hospital Regional de São José, o maior da rede pública estadual, enfrenta problemas com material para realizar cirurgias, a Procuradoria Geral do Estado pediu que fosse acelerado o julgamento de um pedido de liminar para não aumentar o repasse para a saúde. O aumento progressivo, aprovado pela Assembleia, prevê que, este ano, 15% deveriam ser entregues ao setor, uma das prioridades da população. O governo mudou, o dilema é o mesmo.

Idas e vindas 1
Ao instituir, agora por decreto, depois de vetar o projeto de lei aprovado pelo Legislativo, praticamente com a mesma intenção, permitindo que travestis e transexuais usem seus nomes sociais nos serviços públicos do Estado, o governador Carlos Moisés desautorizou a si próprio, a Assembleia Legislativa e a Procuradoria Geral do Estado, que havia recomendado o veto. Faltou uma boa assessoria jurídica.

Idas e vindas 2
A decisão acabou tornando sem efeito ação que a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal, preparava, sob a justificativa de que a adoção do nome social como expressão de identidade e de dignidade humana é um direito constitucional, reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal em mais de uma oportunidade.

Av. Osmar Cunha, 220 - Edifício JJ Cupertino Medeiros - Centro - Florianópolis - CEP: 88015-100 

Telefone: (48) 3664-7500 - Horário de atendimento: dias úteis das 12h às 19h